PESQUISAR


Homem Histérico? Nem por sombras!

2022-08-01 01:00:00

Na evolução do conhecimento científico, o filósofo René Descartes (1596-1650) estipulou a dicotomia corpo versus mente, afirmando “Penso, logo existo” e, prontamente, se determinou que a mente é o domínio masculino, enquanto o corpo e as emoções são o terreno da mulher..


.A palavra histeria deriva do grego hystera e refere o órgão do corpo feminino que é o locus da maternidade – o útero. Como se acreditava que a histeria resultava de um defeito no útero, estabeleceu-se que apenas as mulheres eram ou podiam ser histéricas.O registo mais antigo desta crença milenar é um papiro médico egípcio, datado de 1900 AC, que atribui os distúrbios comportamentais ao útero a vaguear pelo corpo feminino, crença que os gregos e civilizações subsequentes adotaram. Com o Cristianismo, o sofrimento humano ficou ligado à noção do pecado e aos malabarismos de Satanás, o que iria culminar em exorcismos e na persecução e tortura de mulheres acusadas de serem feiticeiras. Na Europa, entre 1400 e 1782, estima-se que 40 000 a 60 000 mulheres foram mortas, acusadas de serem possessas. A partir do século XVII, a ciência médica localiza a histeria no sistema nervoso central e, no século XIX, introduz a noção de doença mental, administrando tratamentos penosos a muitas mulheres, pois teimou-se em atribuir a histeria ao sexo feminino. E o estigma mantém-se. Regra geral, o homem zangado é considerado audaz e assertivo; a mulher é irracional e histérica. Um homem histérico – nem pensar!

 Ver galeria de fotos

Asas da Igualdade

A partir daqui pode ver Nas Asas da Igualdade: edição mensal da Umar-Açores e publicação no Açoriano Oriental.




SETEMBRO 2022
D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930

GALERIA DE FOTOS

UMAR


Mulheres na Pesca